Ficamos sem empregada. E agora?

Há cerca de 2 meses ficamos sem empregada doméstica e tivemos que passar pelo processo de recrutar uma nova. Encontrar “A” empregada doméstica não é tarefa fácil. Trata-se de escolher a pessoa a quem vamos entregar a chave da nossa casa e partilhar o nosso lar, quem irá  interagir com os nossos filhos e saber da nossa vida particular.

Para si que está ou pode vir a passar pelo mesmo, partilho algumas dicas de como se pode organizar nesta importante e difícil tarefa de encontrar empregada doméstica.

  1. Fazer uma lista dos requisitos que procura – O primeiro passo, antes de começar a procurar, é definir o que procura numa empregada doméstica. Quantas horas pretende, se quer com experiência, se tem de tratar de crianças, se tem que saber cozinhar, passar a ferro, se precisa de ter viatura própria, etc. Ao definir o perfil da pessoa que procura, será mais fácil fazer a triagem numa fase mais à frente.
  2. Perguntar a amigos e familiares –  Comece por falar com amigos, conhecidos ou familiares para saber se sabem de alguém, ou se sabem de alguém que conhece alguém que esteja disponível. Conseguir uma empregada doméstica através da recomendação de  alguém conhecido,  pode (ou não)  significar a garantia de confiança que tanto procuramos. Nós não tivemos sucesso desta forma, por isso tivemos que passar para o Plano B.
  3. Colocar um anúncio ou contactar uma empresa especializada – Quando a 1ª parte falha, temos que recorrer a outros meios, como colocar um anúncio. Com a internet, temos a tarefa algo facilitada. Pode colocar na sua página pessoal das redes sociais, grupos fechados ou aproveitar plataformas de classificados como o OLX. Para quem não se sentir tão confortável com esta opção, existem empresas especializadas em encontrar empregadas domésticas e outras que oferecem o serviço. Claro que isto tem o seu custo, mas também trás as vantagens de segurança. A nossa escolha recaiu em colocar um anúncio dentro de um Grupo Fechado no Facebook. Criamos um post com os requisitos que procurávamos na pessoa e começamos logo a receber contactos. Tudo o resto foi tratado por mensagem privada com cada contacto.
  4. Fazer uma 1ª triagem – Depois de começar a receber os contactos de pessoas interessadas, é imprescindível que comece a tomar nota dos vários contactos para poder organiza-los. Para não nos perdermos, utilizamos um ficheiro em Excel onde fomos apontando tudo. Assim facilita na hora de analisar toda a informação e tomar uma decisão.
  5. Fazer entrevistas – Depois de sentir que já tínhamos pessoas suficientes (a certa altura já não aceitávamos mais contactos) analisamos todas as informações e foram agendadas 4 entrevistas. 4 pareceu-nos um número razoável. Esta é a fase mais importante, porque por mais perguntas que fizermos, existem sempre comportamentos que só podemos analisar ou perceber cara a cara. Deverá ser uma conversa natural, onde certamente as perguntas irão surgir ao longo da própria conversa. Eis algumas questões que podem ser abordadas durante a entrevista:
    1. Questões Profissionais – Qual a sua experiência? Onde trabalha atualmente? (se trabalha) Há quanto tempo? Porque saiu do seu último trabalho? Tem referências? Se é para cozinhar, perguntar que tipo de comida sabe fazer. Se é para cuidar de crianças, falar um pouco sobre isso.
    2. Questões Pessoais – Aqui o objetivo é conhecer um pouco a pessoa. Algumas das perguntas que pode colocar são: Idade e onde nasceu. Onde mora e com quem. Estado civil. Se tem filhos. Quantos e que idades. Quem fica com eles quando trabalha?  O que gosta de fazer quando não está a trabalhar? Etc.
    3. Questões “técnicas” – Horários disponíveis. Salário. Férias. Benefícios. Regras gerais da casa.

No final da entrevista pode terminar indicando os próximos passos, como por exemplo, quando será dado feedback em relação à proposta.

  1. Tomar uma decisão e comunicá-la. Depois das entrevistas terminarem, não demore a tomar uma decisão e fale com a pessoa escolhida rapidamente para combinar próximos passos. Alias, por muito chato que seja, dê feedback a todos os candidatos, mesmo os que não passaram à fase final.

Depois de seguir os passos todos, e se ainda tiver dúvidas sobre a escolha a fazer, siga o seu instinto. Se nenhuma candidata lhe agradou, marque mais entrevistas. Tem que se sentir confortável com a escolha final.

Espero que estas dicas ajudem na hora de contratar uma empregada doméstica.

Photo Credit: www.marthastewart.com

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply